“Via Técnica e Formação Profissional, deixaram de ser parentes pobres do ensino e formação” – Pedro Lopes

“A Via Técnica e a Formação Profissional, não são mais os parentes pobres do ensino e da formação em Cabo Verde. Mas sim, geradores de rendimento, de emprego e um contributo importante para a economia deste país”. O Secretário de Estado para Inovação e Formação Profissional, Pedro Lopes, fez estas declarações na manhã desta quarta-feira, 24, enquanto presidia à abertura da XIª Semana da Via Técnica, promovida pela Escola Secundária Polivalente Cesaltina Ramos, cidade da Praia.

Pedro Lopes garante que longe vai o tempo em que a Formação Profissional e a Via Técnica eram só para quem não tinha condições para ir à universidade. “Hoje não é assim, precisamos cada vez mais de jovens com especificidades técnicas que conseguem responder às necessidades do mercado, mas que também conseguem gerar riqueza e criar negócios para o nosso país”, enfatizou o Governante.

“Os desafios da atualidade num contexto de competitividade e concorrência exigem cada vez mais, a forte aposta na excelência e na qualidade da oferta formativa, bem como uma atitude empreendedora e de responsabilidade de cada jovem no processo de aprendizagem- valorizando o saber, saber-fazer, ser/estar, mas acima de tudo, o querer” sublinhou ainda em reforço.

O Governante acrescentou ainda que é papel do Estado, criar a ponte entre os sonhos e a vontade dos jovens cabo-verdianos e o mercado e as oportunidades de emprego. O desafio de criar empregos dignos é um contributo para o crescimento económico mais forte e inclusivo. Isto, assente num forte investimento na diversificação da oferta formativa alinhada às necessidades do mercado, que irá permitir a melhoria de qualidade de vida das famílias.

“No ano em que a Organização Internacional do Trabalho (OIT) celebra 100 anos, é o momento de se refletir sobre o percurso, os ganhos, as lições apreendidas e as mudanças sustentáveis a introduzir em todo o processo, onde jovens possam desenvolver todo o seu potencial, no contexto de profundas alterações tecnológicas, ambientais e demográficas”, asseverou o governante.

Concluiu a sua intervenção ao realçar que o Governo, tem vindo a reforçar no Orçamento de Estado, recursos e incentivos de modo a debelar os desafios que se colocam aos níveis da acessibilidade, financiamento e sustentabilidade do Ensino Técnico e da Formação Profissional. “Para que ninguém fique para trás”.